Quinta-feira, 30 de Março de 2006
O desligar da luz por instantes...

Foi ontem! Mais um eclipse! E foi eclipse total em algumas regiões do planeta, entre as quais a Grécia. Até nos eclipses eles nos ganham...

A verdade é esta: Os eclipses causam belo efeito, sim senhor! Vamos nós na estrada, quando são 13 horas, e subitamente vêmo-nos obrigados a ligar os faróis. É digno, sim senhor!

Um eclipse é sempre um fenómeno que movimenta multidões, e naqueles minutos toda a gente pára, e fica a olhar para o céu. E são poucas as coisas que conseguem por tanta gente junta a olhar para o céu, diga-se... Assim de repente, só me lembro do penalty do Beckham no EURO 2004.

Mas, agora a sério, é incrível o poder mobilizador d'um eclipse. Podemos estar no trabalho, podemos estar na casa-de-banho, podemos estar na Repartição de Finanças, mas à hora do eclipse tudo pára! (Dado que para parar é necessário estar em movimento, compreendo que seja difícil acreditar que a Repartição de Finanças pára...)

Mas tudo isto para quê? Para ver a Lua pôr-se à frente do Sol. Assim, sem mais nem menos, eis que ela tapa o Sol, deixando-o apenas irradiar um pequeno anel de luz à volta da silhueta lunar. E isso, caros leitores, é romântico! Um eclipse é uma oportunidade única para cada um dizer à pessoa amada aquilo que não consegue dizer à luz do dia. O ambiente é propício e tal...

No entanto, pode ser chato se a coisa aquece e, dada a escuridão, o casal começa o chamado "esbrenhec esbrenhec..". É que aquela escuridão, a bem ver, só dura uns minutinhos. E deve ser chato estar no meio de uma praça pública todo nú... (Digo eu, claro está!)

Só é pena que os eclipses não sejam mais comuns aqui por Portugal. Acho que é disso que o país precisa! De eclipses! Caro Sócrates, para quando o programa "Eclipse na hora"?! (Esta piada é mesmo má, caramba...)


há tanta coisa gira para fazer neste mundo, mas o Dias optou por escrever isto pois não tinha nenhuma amiga com ele e encontrava-se: vontade de ser eclipsado...
enquanto o Dias escreveu este artigo, apesar de pequenas, as suas orelhas ouviram isto: Coldplay - Square One
tags:


Quinta-feira, 23 de Março de 2006
Filhos, Parte II

Outra coisa que, com certeza, é chata quando se tem filhos é quando eles vão crescendo e nós não nos podemos largar deles nem um minuto.

Desta feita, a história vem do Kansas, onde Christopher Greg Killion, de 31 anos, é o pai de serviço. Christopher tem um filho, de 4 anos, e que o acompanha a muitos sítios.

No entanto, no sábado passado o senhor pediu ao seu filho que não saísse do carro onde estava, pois, caso o fizesse, viriam monstros comê-lo. (Monstros como o Carlos Cruz, possivelmente...)

Como todos nós sabemos, a curiosidade dos mais novos é fortíssima e, como era de esperar, o pequenito lá saiu do carro, em busca do seu pai. Entrou na porta onde o viu o pai Chris a entrar e, qual não é o seu espanto, encara-se com um senhor enorme, com óculos escuros e um headphone na orelha.

Estou a imaginar a preplexidade desta criança quando for mais velho e souber que, aos 4 anos, tentou seguir o seu pai até um bar de strip tease...

Aquilo onde a criança entrara, em busca do seu pai, era nada mais nada menos que um bar, como todos os outros, mas com a diferença na abundância de varões ensaboados e senhoras com roupas a respeitar a lei da gravidade, com a passagem do tempo.

 

Escusado será dizer que o pai foi preso. Mas eu não percebo porquê! O pai dele só lhe estava a mostrar o mundo! E, para todos os efeitos, a criança estava acompanhada pelo seu encarregado de educação.

Seria certamente um dilema para a criança, mas mais ainda para o próprio pai, quando a criança lhe colocasse a inteligente pergunta: "Foi aqui que conheceste a mãe?"

 

Entretanto, começa ali atrás, na televisão, a dar o anúncio da outra bebida da fruta, onde a pergunta final é:

"E os teus pais, já comeram fruta hoje? Não? Porquê?"

A criança acima mencionada certamente responderia...

"Não, ainda não comeu... Por enquanto ainda está só a olhar para os melões... Mas ainda não se decidiu se compra ou não compra..."


há tanta coisa gira para fazer neste mundo, mas o Dias optou por escrever isto pois não tinha nenhuma amiga com ele e encontrava-se: Pai.


Filhos, Parte I

Ter um filho deve ser, presumo, algo mágico. Deve ser imensamente especial, pois é uma nova pessoa que nós criamos, um novo rebento para a Humanidade.

No entanto, nem tudo são rosas...

Por exemplo: Logo à partida, como será feita a escolha do nome daquele rebento? Eu, sinceramente, não faço a mínima ideia de que nome irei dar a um filho, se um dia o tiver... E, para isto, eu propunha que se criasse um programa televisivo, tipo concurso, que ajudasse os pais. Tipo:

"Parabéns, ganhou o nome 'André' para o seu filho!"

É que, às vezes, há pessoas que se lembram de chamar "Jesus" ao seu filho. E se isto parece um pouco como uma enorme homenagem ao enviado de Deus à Terra, por outro lado pode ser chato a nível profissional...

Que o diga Jesus Manuel, enfermeiro do Hospital de Huddinge, em Estocolmo. Ao que parece, os seus superiores a nível profissional já lhe pediram para mudar de nome, pois é confuso para os pacientes ouvirem a frase...

"Descanse... Jesus já está a caminho!"

Caramba, os doentes pensam que estão para morrer!

A minha ideia é: Todos aqueles que se chamam "Jesus" deviam ser proibídos de trabalharem em hospitais!

Imaginem que havia, por exemplo, um ginásio qualquer chamado Galheiro.

Uma pessoa com obesidade mórbida vai ao médico e tal, tudo bem... E o médico, aconselhando-a a ir ao ginásio, diz-lhe:

"Sabe, eu acho que é melhor você ir para o Galheiro!"

Isto desnorteia por completo os gordos neurónios da pessoa em causa!

 

É que não é o nome que é deprimente. Não! Eu nunca seria aqui capaz de brincar com nomes como Juvenal, Umbelina ou até mesmo Salazar... O que eu acho é que, dadas as várias expressões que se usam na linguagem corrente, devia haver um controlo. Leis como...

"É proibído a todos os pertencentes à família 'Boa Morte' de conduzirem aviões."

Não acham?

 

É que, muito sinceramente, eu acho que existem coisas com as quais não se brinca...


há tanta coisa gira para fazer neste mundo, mas o Dias optou por escrever isto pois não tinha nenhuma amiga com ele e encontrava-se: Normal.
enquanto o Dias escreveu este artigo, apesar de pequenas, as suas orelhas ouviram isto: Nada.
tags:


Sábado, 18 de Março de 2006
Finalmente, "O Artigo" sobre invenções estúpidas!

Foi agora mesmo que o encontrei: Um site sobre invenções inúteis. E fiquei a saber muito!

Antes de mais, fiquem sabendo que há uma arte japonesa cujo mote principal é, precisamente, inventar coisas inúteis. E isto por si só é fantástico! A arte dá pelo nome de "chindogu" (nome que também se atribui às invenções), e tem como princípios fundamentais os seguintes:

Os Dez Mandamentos do Chindogu:

I - Um chindogu não pode ser feito para uso real. (Basicamente, deve ser tão estúpido que ninguém deve ter o descaramento de o usar.)

II - Um chindogu deve existir. (Apesar de não dever ser usado, deve ser palpável! Algo mais do que um simples projecto em papel.)

III - O espírito do chindogu é o de total anarquia. (A liberdade da estupidez do próprio objecto deve estar sempre presente!)

IV - O chindogu deve ser desenhado para um uso no quotidiano. (Apesar de, relembro, ninguém o vir a usar.)

V - O chindogu não está à venda. (Quem é que compra, caramba?)

VI - O humor não deve ser o motivo principal para a criação de um chindogu. (Apesar de, obviamente, estar sempre presente.)

VII - O chindogu não é propaganda pessoal. (Tal como toda a arte em si...)

VIII - O chindogu não deve ser um tabú. (Inventem, mas inventem coisas decentes!)

IX - O chindogu não deve ser patenteado. (Reparem: cada chindogu deve ser demasiadamente estúpido que ninguém o deve querer copiar. Certo?)

X - O chindogu não deve ser um motivo de diferenciação. (Nada de ligações a raças, etnias ou sexos...)

 

Sinceramente, acho que esta arte devia ser mais conhecida! Fiquem desde já sabendo que o japonês Kenji Kawakami é o grande artista de chindogu. Kenji já assinou invenções como "Manteiga em Stick", "Arrefecedor de Comida" (adaptado aos talheres), o "Carro-Secador" (Para secar roupa com o andamento), entre outras invenções geniais.

Ora botem lá as vistas nas fotos de invenções do Kenji (E esta é a minha inauguração no que toca a imagens neste "novo" blog!!!!)

 


Aqui está a "Manteiga em Stick" a ser utilizada!

 

 
E este é o "Arrefecedor de Comida".

 

Sinceramente, acho esta arte genial! É um pouco como dizer, descaradamente, algo do tipo: "Bom, já cheguei à conclusão que sou um inútil à sociedade e, como tal, vou dedicar-me a criar coisas como eu: inúteis."

(Uma tónica muito semelhante à campanha para as Presidenciais 2006 do Soares...)

A verdade é que muito tem sido inventado sob a alçada desta arte, e parece-me que isto foi criado um pouco como desculpa conveniente para os inventores. Ou seja! Os tipos têm uma ideia. Se a acharem genial, eles são os maiores! Se a ideia for nojenta, eles defendem-se com aquela do "Epah, isto é Chindogu. É arte, meus amigos!"

Ao que parece, quando George W. Bush soube disto, começou a escrever um discurso onde aparecia a frase "A Guerra no Iraque não foi nada mais nada menos, caros americanos, do que Chindogu."

Só que depois, segundo consta, Dick Cheney ameaçou o Bush: "Se dizes isso, alvejo-te!"

 

Eu, deprimente como sempre, já estive a tentar aqui arranjar umas invenções esquisitas. Mas nada do que me ocorre consegue ser mais genial do que um skate para andar de joelhos (já inventado) ou que as fraldas com alarme (também já inventado).

Acho que a melhor ideia ocorreu-me, aqui há tempos em pleno Técnico, em conjunto com o amigo Barreira: "Garrafa com Pé"! Reparem: Para servir directamente bebidas finas sem ter de estar a despejar! Imaginem o Martini logo com o limão lá dentro, e as pedras de gelo... Era só abrir a "Garrafa com Pé"!

 

Enfim... Deprimente...


há tanta coisa gira para fazer neste mundo, mas o Dias optou por escrever isto pois não tinha nenhuma amiga com ele e encontrava-se: Assustado...
enquanto o Dias escreveu este artigo, apesar de pequenas, as suas orelhas ouviram isto: Sevendust - Broken Down


Sexta-feira, 17 de Março de 2006
Mas que raio de semana!

Caros leitores, hoje acaba para mim uma semana de trabalho das mais esquisitas que tive. De regresso a casa, olho para trás e apetece-me rir, senão reparem:

Na quarta-feira fui à Alvaláxia com um amigo, também da minha idade, e também benfiquista. E se isto por si só já é esquisito, dada a nossa tendência clubística, mais estranho fica se vos disser que um rapazito com, quase de certeza, menos de 10 anos nos prometeu porrada. A sério! O raio do puto devia ter metade da minha altura, mas ali estava, com as ganas de quem me conseguia desfazer em bocados mais pequenos que o próprio Marques Mendes!

Foi realmente abominável aquele momento! Tive uma profunda crise de identidade, pois nunca pensei que, ao ter passado a barreira do 1.75 metros de altura há algum tempo, alguém com menos de metro e meio tivesse o descaramento de me prometer algo semelhante àquilo que o Paulinho Santos gostava de fazer ao João Pinto, nos velhos tempos...

É que foi realmente esquisito! Mas eu, claro está, reagi de forma pacífica, pois temos sempre de pensar: "Se aqui neste estádio até o Benfica perde é porque estes ares estão mesmo contaminados!"

 

Depois, a segunda coisa estranha que me aconteceu esta semana passou-se, curiosamente, na noite de quarta-feira. Depois de um dia cansativo e tal, aqui o Miguel decide ir deitar-se, e veste o seu pijaminha azul. Camisola e calças, claro está! Lembro-me disto tudo, bem como de ter conferido a hora do despertador do telemóvel!

No entanto, na manhã de quinta-feira acordo com a camisola do pijama ao meu lado, sem que eu me lembrasse de como a tinha tirado! A minha primeira ideia foi "Ok, sou sonâmbulo!". Mas depois lembrei-me que nunca tive antecedentes deste problema, e portanto pensei nas hipóteses alternativas. E foi aí que me lembrei de uma coisa que li à tempos e que inclusivé escrevi aqui no blog!

Lembram-se daquele meu artigo sobre os ET's? Aquilo, a dada altura, dizia-me que os nossos vizinhos costumam pegar em nós durante a noite para fazer umas análises ao pessoal. Será que foi isso que me aconteceu? Se sim, aqui está a prova de que eles, os amigos de Marte, também se esquecem das coisas! Então deixa-se ali a camisola do terráqueo Miguel ao lado? Ai ai... Um dia destes são despedidos e vão arrumar naves espaciais ali para os anéis de Saturno, com o jornalinho enrolado na mão...

Já não se fazem ET's como antigamente...


há tanta coisa gira para fazer neste mundo, mas o Dias optou por escrever isto pois não tinha nenhuma amiga com ele e encontrava-se: Cansado!!!
enquanto o Dias escreveu este artigo, apesar de pequenas, as suas orelhas ouviram isto: Endo - Simple Lies


'sussure alguma coisa ao ouvido do Dias:

'se quer saber onde raio anda o tal artigo que ouviu falar, procure aqui:
 
'Março 2006
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10

13
14
15

19
20
21
22
24
25

26
27
28
29
31


'apesar de frequentarem blogs muito maus, o Dias sugere-vos estes:
'coisas muito mal escritas, mas bastante recentes

' Sem título.

' E se eu não tivesse tempo...

' O nome "Vigor" pode mesmo...

' O fim das bolachas Maria.

' Se está farto de mulheres...

' Adorar vacas pode, afinal...

' Eles não gostam de nós.

' Não leia isto para bebés.

' Levante o pé.

' Contem-me uma melhor.

' Alto e pára o baile!

' Um casamento garante-te n...

' Já que a Bolsa não dá nad...

' Um dia não me lembrarei d...

' "Olha, queres uma pastilh...

' Uma Sueca em vez de Solit...

' É tudo uma questão de tem...

' Caros Leitores

' Isto desconcentra os deus...

' Vai um copo?

'porque um blog com um arquivo é sempre uma coisa muito gira
2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


2007:

 J F M A M J J A S O N D


2006:

 J F M A M J J A S O N D


2005:

 J F M A M J J A S O N D


2004:

 J F M A M J J A S O N D


blogs SAPO
'subscrever feeds