Quinta-feira, 26 de Fevereiro de 2009
Eu quero um quintal assim.

Nunca fui adepto da pescaria.

Não obstante, não tenho nada contra.

Agradeço até quem inventou a forma de pescar salmão.

Mas, por favor, não me venham convidar para passar uma manhã de cana na mão, pois se fosse para isso eu tinha-me alistado na Marinha.

 

Eu sei que no Litoral muitas pessoas dependem economicamente da pesca, mas há também quem a pratique apenas por puro prazer.

Apenas para terem alguma coisa com que se entreter ao fim-de-semana.

E é no meio desta abordagem à pesca como actividade de lazer que surge o popular efeito de pescador.

Aquela necessidade de se dizer ao mundo que o peixe que ele apanhou é maior que o do senhor da cana ao lado.

Com o sentimento de que afinal o tamanho conta, por muito que, noutras circunstâncias, implore à sua esposa para não pensar assim.

 

Estou em condições de dizer que essa vontade do pescador comum em dizer ao mundo que apanhou um peixe enorme deverá, o mais cedo possível, acabar.

E isto porque um homem só se deve gabar das coisas difíceis que faz, e apanhar um peixe grande já é coisa acessível.

(A notícia, claro, não podia faltar.)

 

Em Fremont, a sul de São Francisco, no estado norte-americano da Califórnia, Ron Davenport apanhou um peixe com cerca de 25 Kg no seu quintal.

Não foi preciso barco, não foi precisa cana de pesca, não foi preciso isco, nada.

O verdadeiro sonho americano: apanhar um peixe que alimenta a família por duas semanas sem um mínimo de esforço.

É esta a resposta da natureza à crise.

É isto que Obama promete fazer.

 

Ter um gato a urinar no nosso quintal é, a meu ver, normal.

Ter um peixe de 25 Kg a passear pelo canal de água que passa nas traseiras da nossa casa, por seu turno, roça a minha ideia do paraíso.

No meu paraíso, a comida chega-me a casa sem que eu peça por isso, por muito pouco higiénica que seja a navegação de marshmallows em canais de rega.

 

Por outro lado, já ninguém se mete com este homem no universo dos pescadores de fim-de-semana.

Tantos e tão tecnicamente aprumados pescadores treinam durante anos e anos para apanharem apenas carapaus e sardinhas e este Ron, sem fazer nada por isso, dá por ele a apanhar uma bizarma de peixe.

Sem dúvida, caros leitores, este senhor está abençoado.

Melhor sorte só a de quem, na costa portuguesa, pescar sacos de droga.

Aquilo nas ruas do Bairro Alto ainda deve render bem.


há tanta coisa gira para fazer neste mundo, mas o Dias optou por escrever isto pois não tinha nenhuma amiga com ele e encontrava-se: mau pescador.
enquanto o Dias escreveu este artigo, apesar de pequenas, as suas orelhas ouviram isto: Amy LaVere - Killing Him


Quarta-feira, 25 de Fevereiro de 2009
Uma imagem vale mais que mil palavras.

[Calha bem que o meu léxico tem menos de cinquenta.]

 

(Imagem captada a 25 de Fevereiro de 2009, em Vila de Rei.)

 

Por acaso não têm também gruas destas em silicone?


há tanta coisa gira para fazer neste mundo, mas o Dias optou por escrever isto pois não tinha nenhuma amiga com ele e encontrava-se: Menos rebarbado que uma grua.
enquanto o Dias escreveu este artigo, apesar de pequenas, as suas orelhas ouviram isto: Editors - Distance


Sexta-feira, 20 de Fevereiro de 2009
"I'm not dying."

Hoje o dia pareceu normal.

O Sol rasgou o horizonte a poente, dando lugar à noite.

O noticiário começou às 20, como sempre.

Na Segunda Circular, um trânsito infernal.

No Brasil, o calor de sempre.

 

Aparentemente, um dia normal.

Mas não é um dia normal, caros leitores.

Jamais será um dia normal.

Porque hoje, 20 de Fevereiro de 2009, chega ao fim o talk show  "Late Night with Conan O'Brien".

 

 

A 1 de Junho de 2009, eu estarei a ver a NBC de novo.

 

(Calma, o "The Office" dá na NBC...)


há tanta coisa gira para fazer neste mundo, mas o Dias optou por escrever isto pois não tinha nenhuma amiga com ele e encontrava-se: sem saber o que ver amanhã.
enquanto o Dias escreveu este artigo, apesar de pequenas, as suas orelhas ouviram isto: The White Stripes - (A música que eles tocarem no programa.)


Quarta-feira, 18 de Fevereiro de 2009
Um artigo na crista da onda.

Permitam-me o uso da ironia, mas eu sempre quis ser surfista.

Entrar na onda, fazer aqueles gestos estranhos com a mão e vestir Billabong.

Mas cedo a vida me mostraria que eu tinha coragem para ser mais que surfista.

No fundo, há demasiada testosterona em mim, e no surf isso não se utiliza.

 

Vamos lá ver: O que é o surf?

O surf é o desporto "radical" que, de radical, nada tem.

Pois, apesar da definição de "radical" patente no dicionário não estar do meu lado, tenho para mim que a um desporto radical deve estar sempre associado um elevado risco.

Um engano no skate e ganha-se gesso à volta de uma perna.

Um erro em downhill significa aulas práticas de "Topografia de Camas de Hospital".

Uma escorregadela em escalada livre e lá se vão duas costelas.

 

E no surf, como é?

Olha, no surf o menino engana-se e... Cai na água.

Upa upa! Mas que coisa arriscada, não haja dúvida.

Cair da água quando se está ao nível desta é um perigo que não se imagina!

 

Até poderá surgir quem, ao som de Jack Johnson, me apelide de nomes estranhos na zona de comentários, mas eu não me controlo - Segurem-me, segure-me! - e, mesmo sabendo que pode ser uma frase polémica, eu tenho de a escrever:

O surf é o desporto mais maricas que há.

 

(Poderiam pensar que era a ginástica artística, mas eu cá costumo ver os bailarinos a atirarem as bailarinas ao ar e a agarrá-las. Se isto não é de homem, de certeza que também não o será andar em cima de uma tábua a "rasgar" ondinhas.)

 

Apesar de toda esta minha certeza, surgiu hoje mesmo uma notícia que, aparentemente, podia colocar toda a minha teoria em xeque.

(E como eu não gosto de falar das coisas sem dizer onde as fui buscar, aqui está a notícia.)

Enquanto surfava na praia de Terrigal, no sudoeste da Austrália, um senhor de 67 anos, de nome Phillip Worth perdeu... A dentadura.

 

Afinal, o surf pode levar-nos a dentadura.

A primeira reacção é esta:

"Sim senhor, o surf é coisa de homens, pois tal como no pugilismo é possível ficarmos com um sorriso estranho depois de uma competição."

No entanto, perdoem o Sherlock Holmes que há em mim...

Após aturada investigação (ou apenas a leitura integral do artigo que hiperliguei em epígrafe) observou-se que a dentadura que o sr. Worth perdeu, afinal, era postiça.

E que, para cúmulo, ele só a perdeu porque espirrou.

 

Mas que desporto radical é este em que o maior risco que se corre é espirrar, usando uma dentadura postiça?

Vendo as coisas por este prisma até o futebol é mais radical que isto, especialmente quando em campo está o Bruno Alves.

 

Ainda assim, tal como todas as histórias do mundo cor-de-rosa (sim, é neste mundo que o surf existe) também esta tem um final feliz.

Phillipe Worth viria a encontrar a sua dentadura a boiar na água, 26 horas depois de a ter perdido.

E diz ele que agora a dentadura está mais polida, mais confortável.

Ainda bem, caro Worth.

Ficamos felizes por si.

É que ter uma dentadura ríspida é coisa de homem, e isso podia ser estranho para o senhor.


há tanta coisa gira para fazer neste mundo, mas o Dias optou por escrever isto pois não tinha nenhuma amiga com ele e encontrava-se: com os dentes no sítio.
enquanto o Dias escreveu este artigo, apesar de pequenas, as suas orelhas ouviram isto: The Grates - Trampoline


Segunda-feira, 16 de Fevereiro de 2009
E em forma de semáforo, podia ser?

"Essa cabeça só serve para por o chapéu, pá."

É talvez das expressões mais engraçadas que o senso comum nos oferece.

Nela está embutida uma certa dose de ironia, pois para perceber verdadeiramente a expressão é preciso pensar um bocadinho.

Mas que cabeça que "só serve para por o chapéu" é que pensa?

 

Julgo, no entanto, que em todos nós o cérebro faz alguma coisa.

Uns mais instintivos, outros racionais, outros (quiçá bloquistas) a sofrer os efeitos do consumo de erva, a verdade é que a expressão "essa cabeça só serve para por o chapéu" nunca será verdadeira quando levada à letra.

No entanto, poderá surgir um ou outro caso em que a utilização excessiva de chapéus possa levar-nos a crer que, afinal, o senso comum está, uma vez mais, correcto.

 

"Um ou outro caso?"

Sim, eu sou altamente previsível, e já se sabe o que vem a seguir a esta linha.

(Vem, claro, um parêntesis com uma hiperligação para uma notícia.)

Em Littlestown, no sul do estado norte-americano da Pensilvânia, Larry Douthwaite foi proibído de usar a sua colecção de 103 chapéus enquanto ajuda as crianças, todos os dias, a atravessar a estrada.

E isto porque, segundo as autoridades locais, os seus exuberantes chapéus distraem os condutores, podendo originar acidentes.

 

("Exuberantes chapéus, Dias?" Sim. Se seguirem a ligação da notícia, ainda vêem um... Já o chapéu que ilustra este artigo, foi o Google que mostrou, e não a notícia.)

 

A verdade é que Larry Douthwaite já faz este trabalho há quinze anos, e sempre usou a sua colecção de chapéus para ganhar a simpatia por parte das crianças e dos turistas, que noutras paragens reportam o "senhor dos chapéus" daquela pequena cidade, Littlestown.

(Eu tinha de escrever esta, desculpem.)

 

Afinal, qual é o problema dos chapéus exuberantes?

O vocalista dos Jamiroquai usa-os há muito tempo e nunca apareceu aí nenhum ambientalista a dizer "o senhor não pode usar essas coisas porque parece que está a gozar com as catatuas".

 

O problema parece vir da imagem pública do denominado "crossing guard", que deve apresentar um certo uniforme que, apesar de tudo, não contempla a vestimenta sobre o coiro cabeludo.

Mas... Qual o problema do chapéu?

Na verdade, convém que um "crossing guard" seja visto pelos condutores.

Se não for pelo colete reflector, será pelo chapéu em forma de avião!

 

Um pouco como o que Santana Lopes procura: se não for visto por ganhar as autárquicas em Lisboa, que seja visto nas festas nocturnas, onde empunha um cabelo devidamente embebido em gel que o faz desempenhar o mesmo papel que a bola de espelhos da discoteca onde se encontra.

Tal como o "crossing guard", também para Santana Lopes o mote é o mesmo: o que interessa é ser visto.

 

Ainda assim, ninguém leva a sério quem empunha um chapéu destes.

Porque ao ver Larry Douthwaite com um avião sobre a cabeça a mandar parar o seu automóvel, a fim das crianças atravessarem a estrada, o comum dos condutores deverá naturalmente pensar:

"Paro, paro... Não te desvies e ainda levantas vôo!"

O que não seria de todo perigoso, visto Douthwaite tem asas sobre ele que o permitem aterrar em segurança.


há tanta coisa gira para fazer neste mundo, mas o Dias optou por escrever isto pois não tinha nenhuma amiga com ele e encontrava-se: alguém que pararia para rir.
enquanto o Dias escreveu este artigo, apesar de pequenas, as suas orelhas ouviram isto: Arctic Monkeys - A Certain Romance


'sussure alguma coisa ao ouvido do Dias:

'se quer saber onde raio anda o tal artigo que ouviu falar, procure aqui:
 
'Fevereiro 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
12
13
14

15
17
19
21

22
23
24
27
28


'apesar de frequentarem blogs muito maus, o Dias sugere-vos estes:
'coisas muito mal escritas, mas bastante recentes

' Sem título.

' E se eu não tivesse tempo...

' O nome "Vigor" pode mesmo...

' O fim das bolachas Maria.

' Se está farto de mulheres...

' Adorar vacas pode, afinal...

' Eles não gostam de nós.

' Não leia isto para bebés.

' Levante o pé.

' Contem-me uma melhor.

' Alto e pára o baile!

' Um casamento garante-te n...

' Já que a Bolsa não dá nad...

' Um dia não me lembrarei d...

' "Olha, queres uma pastilh...

' Uma Sueca em vez de Solit...

' É tudo uma questão de tem...

' Caros Leitores

' Isto desconcentra os deus...

' Vai um copo?

'porque um blog com um arquivo é sempre uma coisa muito gira
2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


2007:

 J F M A M J J A S O N D


2006:

 J F M A M J J A S O N D


2005:

 J F M A M J J A S O N D


2004:

 J F M A M J J A S O N D


blogs SAPO
'subscrever feeds