Sexta-feira, 2 de Maio de 2008
Para que serve um seguro?

Caro leitores,

 

Há quem, por vezes, me apelide de arrogante. Eu, na mais pura inocência, sempre achei que, bom, se calhar tais pessoas não estão a perceber bem o que eu quero dizer. Ou então, não estão a perceber a forma como eu quero dizer as coisas.

No entanto, por vezes paro para pensar: talvez eu seja mesmo arrogante. Talvez todas as pessoas percebam exactamente o que eu quero dizer, e compreendem a forma como eu digo as coisas, e depreendem disso tudo que eu sou simplesmente arrogante.

 

Hoje, no entanto, a confusão apoderou-se de mim.

Quando pensava que todos nos compreendíamos, que todos sabíamos o que era viver em sociedade ou, em última instância, o que é a civilização, vejo esta reportagem no Primeiro Jornal da SIC.

(Vejam-na, a sério. Aqui, caso não tenham dado pela hiperligação no parágrafo antecedente deste parêntesis. E se eu vos dei duas hiperligações possíveis, é porque quero mesmo que vejam!)

 

A notícia é triste, digna de um Portugal que (só quem nasceu num meio pequeno sabe que) não passará disto.

Mas há um momento peculiar nesta reportagem.

O depoimento de um senhor, que pela propriedade com que fala pertenceu alegadamente à organização do evento, e que não dá a cara. (Vá-se lá saber porquê... Preencham o espaço em branco: Marcelo Rebelo de Sousa dá a cara porque é inteligente. Se este senhor não dá a cara, é porque não é ___________.)

 

"Não fomos procurar se se era possível se não era possível. Nós pensámos entre todos, coisa que se calhar nunca ninguém fez de tentar fazer um seguro. Prontos, complicaram-nos também um bocado essa situação e depois acabámos até por não fazer seguro nenhum. Nunca ninguém tinha feito, não foi possível, as pessoas, prontos..."

Neste momento, a jornalista interrompe o senhor.

 

E eu aproveito para analisar as palavras do senhor.

Portugal é isto, leitores.

Portugal é aquele país da Ásia Subsaariana que teve a infelicidade de nascer no sudoeste europeu.

É aquele país onde alguém pensa fazer uma corrida de rally e onde não interessa para nada um seguro.

Este senhor, que concerteza aprendeu mais depressa que o Gervásio a separar as embalagens usadas, acha que nunca nenhum grupo de pessoas que procuram organizar uma corrida pensou entre eles.

Aliás, pela propriedade com que fala, este senhor julga que nunca ninguém pensou neste mundo! Estamos, portanto, perante uma personalidade histórica, amigos.

Foi ele o inventor do pensamento. Foi ele o pioneiro, quem pela primeira vez pensou algo.

E pensou no quê?

"Epá, uma corrida de rally ilegal aqui em Figueiró é que era, hein! Manda vir uma mini para comemorar esta ideia!"

 

A jornalista pergunta ao senhor:

"Não foi possível [fazer o seguro] porquê, sabe-me dizer?"

E o professor da Humanidade volta à carga:

"Porque as pessoas diziam que... Não se... Não sendo uma coisa se calhar não oficial e em termos de lei não nos sabiam dizer e então descosiam-se um bocado na gíria como se costuma dizer que não era possível fazerem fazer seguro. Portantos, no fim acabámos por não fazer. Mas eu penso que neste caso, quer com seguro quer sem seguro, o acidente iria-se dar na mesma, percebe? Aqui o seguro já vai ser para segundo plano. O primeiro plano neste momento é mesmo as vítimas, as pessoas."

 

O início desta fala, confesso, não percebo.

Parece-me, no entanto, normal. Eu sou um reles humano, que se passeia neste mundo até ao dia em que a Eternidade me chame.

Mas este senhor é o pioneiro do pensamento. É normal que eu não perceba o que ele diz.

 

Se calhar a seguradora não permitiu a este senhor fazer o respectivo seguro porque, na verdade, a seguradora não percebeu o que ele dizia.

Tudo isso devido a um elevado diferencial de Q.I. entre este senhor e as pessoas que, geralmente, trabalham nas seguradoras.

Pode-se dizer que foi a inteligência de senhores como este, os organizadores, que provocou os acontecimentos que hoje fazem notícia nos noticiários televisivos.

Fossem eles um pouquinho mais burros e talvez tivéssemos um Amarante-Dakar no próximo ano.

(João Lagos, não se torne inteligente, por favor. Continue esse burro descomunal que, com as excelentes organizações e com os devidos seguros, trás os grandes eventos a Portugal. A inteligência, deixe-a para os organizadores de Figueiró.)

 

Mas o Einstein das organizações de corridas ilegais ainda nos deixa uma pérola filosófica.

A ideia de que o acidente aconteceria de qualquer forma, tivesse a corrida seguro ou não.

E é aqui que Portugal se destaca.

Aliás, Portugal devia ter no seu Bilhete de Identidade Internacional este pensamento: "Era o destino. Para quê um seguro?"

 

Como é sabido, em todas as corridas legais, com seguro, nunca ocorreu um acidente.

Nada.

Sebastien Loeb nunca desistiu de uma prova de rally por ter tido um acidente.

(Nota: talvez a última frase corresponda à realidade. Apenas porque Loeb não é um padeiro que decide ir fazer rally no 1º de Maio na pista de Figueiró, com um carro que já não vai à inspecção há uma década...)

 

Mas, se calhar, não é nada assim. Eu é que estou a ser arrogante com este caso. E com este senhor.

 

Percebe-se claramente que este senhor não sabe o que é um seguro.

Não sabe o que é viver em sociedade. Ou, em última instância, não sabe o que é a civilização.

Está, portanto, no caminho certo para um dia ser Presidente da Câmara Municipal de Gondomar.


há tanta coisa gira para fazer neste mundo, mas o Dias optou por escrever isto pois não tinha nenhuma amiga com ele e encontrava-se: Com o seguro em dia.
enquanto o Dias escreveu este artigo, apesar de pequenas, as suas orelhas ouviram isto: Coldplay - Violet Hill


1 leitor já disse o que achava:
De Abilio ricardo a 2 de Maio de 2008 às 23:33
Boas pra todos ,eu sou um fã de Ralis tanto como espectador como piloto,eu axo na minha opinião que o problema dos seguros é so porque as organizações que na maioria das vezes são colectividades ou associações de bombeiros que fazem este tipo de provas pra angriar alguns fundos pra servir as comunidades e não conseguem serem mais legais porque a autoridade maior que é a FPAK por e simplemente quer levar uma quantidade de euros pra dar autorização sem tem o menor esforço ,isso pra mim é injusto ,eu já fiz e continuo a fazer ralis tanto leguais como os tais chamados ileguais poque a nivel de organizações (não conheço esta em particolar) a maioria das provas PIRATAS são muito identicas as de um regional, mas os acidentes acontecem e muitas vezes quando á vitimas espectadores( axo que 90% das vez)a culpa é das pessoas que não acatão as ordens dos organizadores porque até a maioria (não sei se é o caso desta prova) tem GNR ora se tem autoridades pra controlarem o trancito e para ao fim do dia ou da prova levarem os euros pra casa não deve ser totalmente ilegual na minha opinião. Eu axo que a FPAK devia de olhar para o nosso desporto automovel de outra maneira e não a pensar só nos lucros e legalizar este tipo de provas (não como tão a fazer com o regional que de ano pra ano é so exegencias a tras exegencias )mas de uma maneira que os organizadores e pilotos deste tipo de provas dexem de ser tratados como delincuentes e marginais e passem a ser tratados como amantes do desporto automovel ,que por este andar vai acabar já perdemos a Formula 1 ,o rali de portugal já teve varios anos sem cá vir perdemos o eurpeu do camion racing por culpa da FPAK. Por favor não matem os ralis Piratas legalizem-nos mas sem xulise da parte dos competentes ,facam mais pelo desporto em Portugal ,uma boa noite para todos e as melhoras para os feridos (que estavam lá de liver vontade)


podia ficar parado, mas na verdade não tenho muito que fazer. vou comentar isto então.

'sussure alguma coisa ao ouvido do Dias:

'se quer saber onde raio anda o tal artigo que ouviu falar, procure aqui:
 
'Maio 2008
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
13
15
16
17

18
19
21
22
23

25
30
31


'apesar de frequentarem blogs muito maus, o Dias sugere-vos estes:
'coisas muito mal escritas, mas bastante recentes

' Sem título.

' E se eu não tivesse tempo...

' O nome "Vigor" pode mesmo...

' O fim das bolachas Maria.

' Se está farto de mulheres...

' Adorar vacas pode, afinal...

' Eles não gostam de nós.

' Não leia isto para bebés.

' Levante o pé.

' Contem-me uma melhor.

' Alto e pára o baile!

' Um casamento garante-te n...

' Já que a Bolsa não dá nad...

' Um dia não me lembrarei d...

' "Olha, queres uma pastilh...

' Uma Sueca em vez de Solit...

' É tudo uma questão de tem...

' Caros Leitores

' Isto desconcentra os deus...

' Vai um copo?

'porque um blog com um arquivo é sempre uma coisa muito gira
2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


2007:

 J F M A M J J A S O N D


2006:

 J F M A M J J A S O N D


2005:

 J F M A M J J A S O N D


2004:

 J F M A M J J A S O N D


blogs SAPO
'subscrever feeds