Terça-feira, 7 de Outubro de 2008
A estupidez omnimodamente.

Apraz-me encetar o presente artigo asseverando-vos que sustento um singular fascínio pela nossa língua.

Não se constata pela antecedente frase?

 

É verdade, eu tenho o dicionário da Priberam nos gadgets da minha sidebar do Windows Vista.

Porque às vezes gosto de usar palavras diferentes ou então porque Cavaco Silva, de vez em quando, fala sobre a democracia.

 

Mas a minha paixão pela língua portuguesa fica-se por aí.

Recorro ao dicionário apenas quando necessito, e não por passatempo.

Ammon Shea não pode dizer o mesmo em relação à sua língua materna.

(O já habitual link para a notícia, numa palavra ao acaso.)

 

O britânico Ammon Shea leu o Dicionário Inglês de Oxford (composto por 20 volumes) em apenas um ano!

Não merecerá este senhor um prémio internacional?

Algo como "Prémio Nobel do Combate à Vida Social"?

 

Um dicionário é como um termómetro.

Está ali guardadinho, e só se usa quando precisamos.

Para quê controlarmos a nossa temperatura diariamente se não bebemos leite chinês com melamina?

 

Também no dicionário a questão se coloca: Para quê lê-lo de uma ponta à outra se ninguém usa a palavra "omnimodamente"?

(Repararam na forma perspicaz como eu, ao dizer que ninguém usa uma determinada palavra, acabei por utilizá-la? Mas não a utilizei dentro do seu contexto, como é óbvio. Querem saber o que significa, querem?(1))

 

Sem dúvida, o senhor Shea tem um problema qualquer.

E diz ele que, com esta sua aventura pelo mundo da definição, perdeu a capacidade de conversar normalmente, pois esquece-se por vezes de palavras como "pão" ou "sapatos".

E eu sinto o mesmo quando consulto o dicionário.

Neste momento, por exemplo, quero adjectivar Ammon Shea e não me lembro do melhor termo.

Deixem-me pensar mais um bocadinho...

Ah, já me lembrei!

Idiota.

 

Mas, no fundo, tal como Rui Gameiro certamente preconizará, Ammon Shea é a consequência do meio em que se insere.

Não o tivessem obrigado a ler as Fábulas de La Fontaine em menos de um dia e hoje este senhor só lia o Daily Mirror.

 

Caros leitores, aguardem mais uns tempos e em Portugal também teremos o nosso Ammon Shea.

Basta continuarmos a obrigar os estudantes a lerem Os Maias em menos de uma semana.

 

(1) Se está curioso acerca da palavra "omnimodamente", cuidado. Está a desenvolver a curiosidade de Ammon Shea, logo a sua vida social corre perigo. E eu não quero ser culpado por isso. Depois não diga que eu não lhe avisei omnimodamente.


há tanta coisa gira para fazer neste mundo, mas o Dias optou por escrever isto pois não tinha nenhuma amiga com ele e encontrava-se: Sem definição possível.
enquanto o Dias escreveu este artigo, apesar de pequenas, as suas orelhas ouviram isto: Os Pontos Negros - Doutor Preciso de Ajuda


'sussure alguma coisa ao ouvido do Dias:

'se quer saber onde raio anda o tal artigo que ouviu falar, procure aqui:
 
'Outubro 2008
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
14
16
17
18

19
21
23
25

26
27
28
30
31


'apesar de frequentarem blogs muito maus, o Dias sugere-vos estes:
'coisas muito mal escritas, mas bastante recentes

' Sem título.

' E se eu não tivesse tempo...

' O nome "Vigor" pode mesmo...

' O fim das bolachas Maria.

' Se está farto de mulheres...

' Adorar vacas pode, afinal...

' Eles não gostam de nós.

' Não leia isto para bebés.

' Levante o pé.

' Contem-me uma melhor.

' Alto e pára o baile!

' Um casamento garante-te n...

' Já que a Bolsa não dá nad...

' Um dia não me lembrarei d...

' "Olha, queres uma pastilh...

' Uma Sueca em vez de Solit...

' É tudo uma questão de tem...

' Caros Leitores

' Isto desconcentra os deus...

' Vai um copo?

'porque um blog com um arquivo é sempre uma coisa muito gira
2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


2007:

 J F M A M J J A S O N D


2006:

 J F M A M J J A S O N D


2005:

 J F M A M J J A S O N D


2004:

 J F M A M J J A S O N D


blogs SAPO
'subscrever feeds