Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

há Dias assim...

Há dias históricos, banais, marcantes, deprimentes, excelentes, maus, magníficos, secantes, fantásticos, desinteressantes e, quiçá, bons. E depois também há Dias assim... Se gosta de Dias assim, parabéns. Está no blog certo.

Há dias históricos, banais, marcantes, deprimentes, excelentes, maus, magníficos, secantes, fantásticos, desinteressantes e, quiçá, bons. E depois também há Dias assim... Se gosta de Dias assim, parabéns. Está no blog certo.

há Dias assim...

13
Ago09

Levante o pé.

delta_unit

Atropelamentos.

Sem dúvida, das coisas mais tristes a que podemos assistir, a par dos jogos do Sporting.

 

Em tempos, todos andávamos a pé.

Até que nasceu o primeiro português da História, que achou que caminhar cansava muito e que era preciso que alguma coisa andasse por nós.

Primeiro os cavalos, depois os automóveis.

E acredito que haja por aí alguém em festas de trance a jurar que também já viu alguém a andar de vassoura.

 

A ironia chegaria quando os automóveis passaram a ser um perigo para quem, tão natural quanto arcaico, ainda anda a pé.

Porque foi para caminhar que a evolução ainda nos deixou as duas pernas em baixo.

Ou para isso ou para dar pontapés na cara do José Castelo Branco.

 

É importante, pois claro, que o peão seja devidamente salvaguardado.

Especialmente ao nível da manutenção das próprias pernas, não vá o José Castelo Branco aparecer no banco de jardim mais próximo.

E assim, um pouco por todo o mundo surgem formas de abrandar a velocidade dos carros nas zonas onde podem surgir mais conflitos com os transeuntes.

 

(Claro, tinha de aparecer uma notícia. Mas desta vez vale a pena abrirem esta hiperligação, porque as imagens são importantes para a notícia.)

 

Em Leicester, no Reino Unido, foram colocadas junto à estrada figuras de crianças, em tamanho real, vestidas com uniformes escolares, com o intuito de fazer abrandar os condutores.

Uma ideia nova, sem dúvida.

E que, aparentemente, tem funcionado, apenas com a queixa por parte dos condutores e de alguns habitantes de que estes bonecos são demasiado assustadores.

 

Eu vi as imagens (Se não as viu, a hiperligação está ali em cima.) e parece-me óbvio que estes bonecos seriam muito bem recebidos em Portugal.

Isto porque num país em que o maior português foi António Salazar, ter crianças numa pose digna da antiga Mocidade Portuguesa só pode agradar a população.

 

Vamos trazer isto para Portugal?

Claro que sim!

Até os podemos fazer em porcelana, e a fazer o manguito que o Zé Povinho celebrizou.

E eu até sugiro que vamos mais longe:

Ás vezes vou na auto-estrada e vejo condutores a circular muito lentamente.

Porque não por bonecos planos de borracha, que não danificam o carro e que após o impacto se erguem de novo, no meio da auto-estrada, mas com o formato de José Sócrates?

Todos acelerávamos um pouco mais para embatermos a 120 km/h no gajo, não acelerávamos?

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2009
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2008
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2007
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2006
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2005
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2004
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D