Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

há Dias assim...

Há dias históricos, banais, marcantes, deprimentes, excelentes, maus, magníficos, secantes, fantásticos, desinteressantes e, quiçá, bons. E depois também há Dias assim... Se gosta de Dias assim, parabéns. Está no blog certo.

Há dias históricos, banais, marcantes, deprimentes, excelentes, maus, magníficos, secantes, fantásticos, desinteressantes e, quiçá, bons. E depois também há Dias assim... Se gosta de Dias assim, parabéns. Está no blog certo.

há Dias assim...

05
Jan07

Irónico, eu?

delta_unit

Diz-se por aí que sou uma pessoa irónica. (Com esta frase pode ser que alguém, sem dúvida distraído, acredite que eu seja tema de conversa para alguém...) E eu não nego, como é óbvio. Se até o Cláudio Ramos pode ter uma opinião, porque é que as demais pessoas, concerteza mais normais, não a podem ter também?

No entanto, não concordo em absoluto com tais rumores. É certo que às vezes demonstro um sentido irónico acentuado, exagerando por vezes. Mas, ao contrário do Chuck Norris, eu nunca fiz mal a ninguém!

Não me considero assim tão irónico quanto isso apenas porque há coisas muito mais irónicas que eu neste mundo. Como tal, ao nível da ironia, penso que estou para a história que se segue como a formiga está para o elefante ao nível do número do calçado.

Desta feita, a história que vos vou contar vem da Kennesaw State University, nos Estados Unidos da América. É nesta Universidade que o artista plástico finlandês Eino procura esculpir a sua intitulada "Spaceship Earth", uma escultura que tem como objectivo elucidar as pessoas para a fragilidade do nosso planeta. Efectivamente, Eino já nos conseguiu mostrar o quão frágil é o nosso planeta, mesmo a três meses de mostrar a sua obra de arte ao mundo.

Ou foi Eino que nos mostrou isso, ou então foi O Nosso Amigo lá de cima, que quis dar o Seu toque artístico à "Spaceship Earth". Isto porquê? Porque, segundo os crentes, O Amigo lá de cima fez a escultura colapsar!

Eu, pessoalmente, acho um desperdício de tempo o que Eino fez: Se ele queria mostrar ao mundo como o nosso planeta é frágil, porque é que ele não arranjou uma forma de mostrar ao mundo a fragilidade do areal da Costa da Caparica? Não se percebe...

O Atlântico tem fome. O que é que ele pede? A areia da Costa da Caparica! Mas não se queixem, lusos companheiros, pois o Índico quando tem fome arranja uma onda grande e vem caçar carne humana à costa...

A verdade é que a escultura lá colapsou! Mas há mais ironia no meio disto tudo, pois ao colapso sobreviveu a frase "our fragile craft" - Em português, "A nossa frágil embarcação" (Se alguém questiona esta tradução, imponha-se na secção de comentários que eu, com a breca, quero é opiniões diferentes da minha!) - que se encontrava escrita na obra de arte. Não há, realmente, forma mais elucidativa de demonstrar a fragilidade de um planeta, caro Eino!

No entanto, o incansável Eino vai retomar a construção de tal obra de arte. E eu acho bem! Só lhe propunha uma coisa: E que tal vir aproveitar as últimas areias da Costa da Caparica e fazer uma escultura em betão armado?

1 comentário

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2009
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2008
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2007
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2006
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2005
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2004
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D