Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

há Dias assim...

Há dias históricos, banais, marcantes, deprimentes, excelentes, maus, magníficos, secantes, fantásticos, desinteressantes e, quiçá, bons. E depois também há Dias assim... Se gosta de Dias assim, parabéns. Está no blog certo.

Há dias históricos, banais, marcantes, deprimentes, excelentes, maus, magníficos, secantes, fantásticos, desinteressantes e, quiçá, bons. E depois também há Dias assim... Se gosta de Dias assim, parabéns. Está no blog certo.

há Dias assim...

28
Abr07

Biblioteca, essa má influência!

delta_unit

Indubitavelmente, estamos na sociedade do conhecimento. Um mundo onde temos acesso à informação que queremos, onde queremos. Um mundo onde, à excepção da formação do Sócrates, tudo é claro.

Como tal, é com espanto que leio esta notícia, no BillingsGazette.net. Em traços muito gerais, a mãe de um jovem de 15 anos quer que sejam banidos alguns livros das bibliotecas escolares porque o seu filho, imagine-se, aprendeu num desses livros a snifar acetona.

Antes de mais, esta senhora devia era estar preocupada com a inteligência do seu filho, pois com tanta cocaína neste mundo, só se dedica à acetona quem é mesmo estúpido.

Por outro lado, esta senhora acha que a informação disponível para as crianças devia ser controlada. Ah, cara mãe norte-americana da cidade de Gillette, no Wyoming, tão longe e tão perto das ideias desse "Grande Português" que nasceu em Santa Comba Dão...

A notícia cita ainda alguns argumentos que defendem que este tipo de livros devem mesmo estar nas escolas, para avisar as crianças dos perigos inerentes ao consumo de drogas. E parece-me bem, a sério. Eu não consumo drogas porque vi imensas imagens de pessoas com muito mau aspecto, a drogarem-se, nos meus manuais do ensino básico.

Sob outra vertente, Diane Adler, bibliotecária, diz-nos que a sua biblioteca não tem livros que incitem ao consumo de drogas. Em Portugal não se pode dizer o mesmo, porque temos o Eça e o Pessoa.

A verdade é que muitos livros, para apresentarem os perigos do consumo de estupefacientes, acabam por nos dar receitas de drogas leves e não só... Qualquer dia temos o Manuel Luís Goucha a apresentar um programa de culinária dedicado a pratos com marijuana e molho de cocaína diluída em álcool etílico a 20%, substituindo o cajú dos aperitivos por pastilhas de ecstasy e com gasóleo agrícola como bebida!

(Ora bolas, com o último parágrafo acabo por estar a apresentar mais uma receita perigosa para as crianças! Mas que se lixe... Desde que o Valentim Loureiro começou a sua carreira política que toda uma nação dúvida que alguém em Gondomar anda a seguir a ementa em epígrafe apresentada na noite antes das eleições autárquicas...)

Enfim... É este o nosso mundo! Agora, com licença, deixem-me ir ali snifar um pouquinho de acetona, porque já estou a ficar mole...

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2009
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2008
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2007
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2006
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2005
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2004
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D