Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

há Dias assim...

Há dias históricos, banais, marcantes, deprimentes, excelentes, maus, magníficos, secantes, fantásticos, desinteressantes e, quiçá, bons. E depois também há Dias assim... Se gosta de Dias assim, parabéns. Está no blog certo.

Há dias históricos, banais, marcantes, deprimentes, excelentes, maus, magníficos, secantes, fantásticos, desinteressantes e, quiçá, bons. E depois também há Dias assim... Se gosta de Dias assim, parabéns. Está no blog certo.

há Dias assim...

20
Nov07

O meu "Socialmente Correcto".

delta_unit
É sempre simpático respeitar as tão conhecidas “regras de boa educação”.
Parece estranho eu dizer isto, dado o meu particular fascínio pelo ridículo que circunda a tão conhecida Paula Bobone, mas é verdade. Toda a boa educação sem roçar os tiques de tia de Cascais é, a meu ver, bem-vinda.
E eu acho que este princípio é universal. Por muito rebeldes que queiramos parecer, acabamos sempre por agradecer à vizinha de cima por ter mantido a porta do prédio aberta até nós sairmos.
Mesmo que a vizinha tenha um cão e que esse cão passe a noite toda a fazer barulho.
Agradecer um gesto de simpatia é tão natural como a sua sede.
No entanto, há uma corrente de “simpatia falsa” que anda aí à solta.
Ainda hoje, depois de aguentar a porta do elevador aberta para deixar dois senhores entrar, deparei-me com essa corrente.
Digam-me, caros leitores, se não existe uma ligeira diferença entre aquelas pessoas que nos dizem simplesmente:
Obrigado.
E as que dizem:
Obrigado, sim?
?
Existe, não existe?
A primeira diz, sincera e objectivamente, “Obrigado por ter sido simpático comigo sem eu o conhecer de lado nenhum”, enquanto que a segunda parece dizer-nos de forma rebuscada:
Olhe, eu não o conheço de lado nenhum e devo dizer-lhe que reparei no seu gesto simpático. Como tal, endereço-lhe o meu obrigado. Ouviu? Eu agradeci-lhe! Não fique com a sensação que lhe fiquei a dever alguma coisa, está bem?
Eu sei. Sou um picuinhas.
Mas, bolas: A presença daquele “Sim?” a seguir ao “Obrigado” dá-me as voltas à cabeça!
Como tal, e se por acaso alguma das pessoas que ler este artigo tiver por hábito dizer “Obrigado, sim?”, peço-lhe enternecidamente:
Deixe de agradecer dessa forma.
Diga apenas “obrigado”.
Obrigado.

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2009
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2008
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2007
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2006
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2005
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2004
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D