Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

há Dias assim...

Há dias históricos, banais, marcantes, deprimentes, excelentes, maus, magníficos, secantes, fantásticos, desinteressantes e, quiçá, bons. E depois também há Dias assim... Se gosta de Dias assim, parabéns. Está no blog certo.

Há dias históricos, banais, marcantes, deprimentes, excelentes, maus, magníficos, secantes, fantásticos, desinteressantes e, quiçá, bons. E depois também há Dias assim... Se gosta de Dias assim, parabéns. Está no blog certo.

há Dias assim...

09
Dez08

Ao contrário do frango, este voa. (Calma, Quim, não é contigo.)

delta_unit

Chamem-me doido, lunático, ébrio, estouvado, bloquista... O que quiserem.

Mesmo estando à espera de todos esses adjectivos, eu escrevo a próxima notícia:

Não há crise nenhuma em Portugal.

Fosse eu Ministro da Economia e podia dizer este tipo de frases estupendas sem me justificar.

Assim sendo, não posso acabar já este artigo.

 

A minha definição de crise pressupõe que uma comunidade (ou a sociedade em geral) se encontre numa situação desfavorável para a qual nada fez para acontecer, sendo assim vítima de causas alheias.

Perdoem-me a fantasia, mas vou arriscar uma comparação:

Suponhamos que o futuro económico do país dependia da inteligência de uma pessoa sorteada totalmente ao acaso, numa tômbola gigante na qual dez milhões de papéis se inserem, cada um com o nome de um português.

Nesta situação, completamente disparatada, crise seria se o nome sorteado fosse José Castelo Branco.

 

Desta forma, o PSD não está em crise, pois foi o partido que elegeu a Manuela Ferreira Leite.

Amy Winehouse nunca passou por crise alguma, pois a decisão de beber whisky foi dela, aos 4 anos.

E Portugal não está em crise pois foi a própria cultura portuguesa que inseriu o bacalhau na gastronomia nacional.

 

O bacalhau, amigos, é o culpado desta situação desfarovável da nossa existência, a qual me recuso, neste artigo, a chamar "crise".

O bacalhau é pescado na Noruega e comido em Portugal.

Quem é que paga a viagem do bacalhau até Portugal? Nós, pois claro.

 

A meu ver, a solução para esta situação desfavorável da nossa existência passa pela alteração da tradição da consoada.

Tornemo-nos americanos, mas sem ganhar aquela coisa bem americana chamada estupidez: Vamos começar a comer carne de ave na consoada!

Eis a minha sugestão para a consoada portuguesa neste ano: carne de pombo.

 

"E porquê pombo, caro ser humano estupendo chamado Miguel?", pensarão vocês.

A razão esconde-se na ligação do próximo parêntesis deste artigo.

(Esta ligação.)

 

A proposta é do Times Online e é dirigida para os norte-americanos:

Porque não substituirem o seu típico perú na consoada por pombo?

Sem dúvida, uma ideia inovadora, que a julgar pela quantidade de pombos que em Portugal existem, podia ter muito sucesso neste cantinho do sudoeste europeu.

E seria a melhor resposta que a raça humana podia ter perante uma ave que insiste em lançar dejectos sobre si: comê-la.

 

Quanto à ideia norte-americana, se esta tiver sucesso daquele lado do Atlântico, imagino cargueiros de pombos a partirem do futuro Porto de Alcântara, com destino a New York.

E Portugal passaria a ser a Noruega dos Estados Unidos.

O que pode parecer um bocado confuso para nós, mas os americanos iriam concordar comigo, dada a sua indiferença perante os livros de geografia.

 

Em suma, caros leitores, bem como os restantes 9 999 998 portugueses, não me voltem a falar de uma suposta crise.

Pelo menos enquanto não comerem pombo na vossa consoada.

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2009
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2008
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2007
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2006
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2005
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2004
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D